UMA VISÃO ECOPEDAGÓGICA


Resenha Crítica

01/05/2017 20:42

—————

Voltar


 ESTADO E EDUCAÇÃO POPULAR

Desafios de uma Política Nacional

Antônio Carlos da Rocha.

1 - Sobre a Obra.

Esta obra fala em Educação Popular e Política Pública, seu projeto e ações. Trata da contribuição de Freire como “patrono da educação brasileira. Seu projeto era colocar a Educação Popular no patamar da política púbica tendo em vista sua rica história. São 21 páginas que traduzem a necessidade atual, a transformação da educação em outro patamar.

2 - O autor da obra.

GADOTTI, um catarinense nascido em 1941. Ele está entre os mais respeitados educadores do país. Pedagogo, Filósofo, Mestre em Filosofia e Doutor em Ciências da Educação e Docência, professor e orientador em cursos de pós-graduação. Foi assessor técnico e chefe de gabinete em gestão pública. Atualmente é Diretor do Instituto Paulo Freire, autor de vários livros, trabalhou na redação da Carta da Terra – um princípio ético para o século 21 e tem publicações relacionadas a formação crítica do educador e sobre a escola cidadã, assunto nesta resenha.

3 - Intencionalidade da obra.

Nos primeiros capítulos de sua obra, o autor apresenta a dura luta da RECID[1] na construção de uma Política Nacional de Educação Popular. Fala da importância e contribuição na concepção de Educação Popular como uma das mais belas contribuições para a educação e menciona Paulo Freire como peça primordial na defesa da Educação Popular, no contexto da política pública.

Prosseguindo sua reflexão afirma que Freire não abria mão da dialética – poder público e poder popular. Lembra que na década de 1950 a Educação Popular se via em duas tendências, uma libertadora defendida por Freire e outra funcional objetivo da (UNESCO). Posteriormente, na década de 70 há uma distinção e aí surge uma concepção de não-formal[2] e formal.

O autor faz uma reflexão sobre os antecedentes históricos e contribuições de Freire como protagonista do projeto. Um defensor de que a Educação Popular envolve educadores, movimentos sociais e populares, a sociedade civil e o Estado. O conceito de educação ultrapassa os limites do escolar, são experiências que geram autonomia tanto da criança, quanto do adulto. O descuido em classificar a educação “não-formal” em caráter menos relevante seria colocá-la como oposição ao formal, mas sua finalidade é ampla.

Afirma, que mais tarde, ao perceber que no sistema formal podem surgir projetos e propostas de educação popular, ao assumir a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, FREIRE põe em prática seu projeto. É lamentável, segundo o autor, que a educação, na maioria das vezes seja entendida como escolarização e que há o menosprezo das potencialidades da educação não-formal.

Freire via a Educação Popular como cultura, um processo de mobilização social, chegando a um poder popular. Fica evidente que o Estado deve definir as políticas públicas, no entanto, sua execução pode ser por entes estatais ou não. Os cidadãos devem ser os beneficiários, com direitos iguais respeitando a diversidade.

4 - Estrutura da obra

Esta obra está dividida em 7 capítulos, com o tema -  Estado e Educação Popular – Desafio de uma Política Nacional - assunto pertinente e que merece bastante cuidado, pois se trata de unir a necessidade do Estado à da Sociedade Civil numa perspectiva desafiadora.

5 - A visão crítica.

 Apoiando a obra, penso que o Brasil perdeu em não valorizar o projeto de Freire, entendido como peça central nesta produção. Para o leitor que já estudou e compreendeu um pouco a biografia de Freire, fica evidente que ele foi um gênio e que o país o negou, apropriou de projeto que não tinha a mesma intencionalidade dele.

Freire, com toda a criatividade não se abateu e saiu pelo mundo ajudando outras nações, começando pelo chile e só retornou ao seu país de origem mais de dois séculos depois. Entretanto, Gadotti afirma que o país evoluiu com as “sementes plantadas” e que a democratização da educação atual pode, a cada dia, resgatar os princípios projetados naquela época e adaptá-los na atualidade. 

Dizia o texto que em um projeto deve haver diretrizes nacionais, planos, metas e ações educativas segundo as orientações de Freire, numa perspectiva problematizadora. Trazendo para a realidade fica claro que há muito a se fazer em nossa educação. Muito se fala em postura crítica, mas pouco acontece na prática.

 Na América Latina houve avanços e que a sociedade obrigou a escola a assumir uma nova função social. No entanto, a avaliação do IDEB[3] não traduz o que a nossa escola púbica é hoje. O texto afirma que a ousadia da Educação Popular a fez expandir nas últimas décadas aos movimentos sociais e populares, devendo ser estendida à política pública. O que ainda é uma utopia.

No entanto, vivemos uma crise de identidade que deve estar relacionadas a indefinição do concreto apresentado e a educação está arcando com a ousadia do mercado competitivo e a despolitização da sociedade. Apesar dos avanços, há que se pensar a formação do professor do futuro numa perspectiva inovadora, tema em que tratarei em meu Projeto de Pesquisa para o Mestrado.

Finalizando, o autor diz que não podemos perder o discurso, Freire deu os primeiros passos “ficar dentro e fora do Estado” e, que não é conveniente ser crítico de fora. Apesar de sua importância, a crítica externa contribui, mas seria ideal a luta no interior do Estado. Este é um convite direto aos envolvidos na educação. 

6 - Recomendo.

Recomendo esta obra a todos os seguimento da sociedade civil que lutam por transformações sociais e também aos professores comprometidos com a educação e projetos inovadores.

7 – Sobre o autor desta reflexão.

Antônio Carlos da Rocha.

Especialização em Didática e Metodologia do Ensino Superior. Pedagogo e Técnico em Agropecuária. Pós-graduando em Filosofia da Educação. Pós-Graduando em Ciências da Educação e Mestrando em Ciências da Educação. Professor do Ciclo de Alfabetização na Escola EMEIEF RONDOMINAS – Ouro Preto do Oeste – RO.



[1] RECID – Rede de Educação Cidadã.

[2] Proposta libertadora e formal o oposto.

[3] Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. 

 



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!